Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pimenta na Língua

Tudo sobre alguém que não tem papas na língua

o blog e os desabafos

Se tivesse criado este blog quando a ideia me surgiu, já teria provavelmente uns dois anos ou mais, mas fui sempre adiando, até que a necessidade de escrever, de desabafar para um teclado, para um computador e onde supostamente ninguém me iria julgar e ninguém me conhece,  fez com que não fosse possível adiar, e surgiu esta obra. Claro que isto não serve só para desaabafar, serve também para rir dos disparates que vão aparecendo pela net e claro, para mostrar o meu gosto pelas roupinhas e acessórios lindos que eu adorava ter, mas infelizmente não há dinheiro para virem morar cá para casa.

Quando criei o blog só disse a duas pessoas, a uma grande amiga minha, que também anda nestas lides e que tenho a certeza que nunca me julgará, e ao meu namorado que eu sabia perfeitamente que só ia colocar aqui os pés quando eu lhe dissesse que tinah criado o blog e certamente nunca mais voltaria. E claro que assim é, acho que ele já nem sem lembra do nome aqui da barraca, aliás, sempre que ele me pergunta eu invento um nome diferente.

E isto para dizer o quê?

Se por um lado, torna-se mais fácil vir para aqui escrever, em vez de andar a chatear as pessoas que me rodeiam com os meus dilemas, e assim a coisa passa-me rápido e sou eu a única que se chateia, por outro lado, há coisas que por vezes são aqui escritas e que deviam ser vistas por pessoas que me rodeiam. Tenho este problema de guardar as coisas para mim, e ser eu a única a ficar chateada e magoada, em vez de partilhar, e deixar as relações por momentos um bocadinho tortas.

 

A sobrinha honesta

Já aqui tinha dito que a minha mãe ontem fez anos. Como os miúdos já estão todos de férias, a minha sobrinha mais velha tem passado os dias cá por casa. E o amor que sente por a avó tinha de ser demontrado de outra forma, sem ser através de beijinhos e abraços. E rapariga aquela, cheia de criatividade, decidiu fazer uma gravação no telemóvel e mostrar à querida avó.

Eu já tinha sido avisada pela minha irmã, para me conter e não me rir ao pé da crianla, por que a gravação estava assim qualquer coisa de muito bom.
Ora atentem
 "Querida avó, eu adoro-te. Quero-te dizer que hojer é um dia muito especial, porque nasceu alguém maravilhoso e honesto. Porque tu és muito honesta e maravilhosa. És tu que fazes almoços e jantares extraordinários. Eu, a tia, a mãe, adoramos-te e tu também nos amas. Porque és honesta." E continuou com a honestidade e o maor durante quase 10 minutos. Nunca mais acabava. Mas com uma voz muito séria e profunda, que só isso dava vontade de rir. E eu ri, e ri quando virei costas. Ri do modo como tudo aquilo foi dito, ri do que tinha sido dito, mas sobretudo de ela ter omitido o quanto a avó consegue ser chata e resmungona para se sentir perfeita por um dia.

Os miúdos são mesmo incríveis.

aniver

Pág. 1/5