Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pimenta na Língua

Tudo sobre alguém que não tem papas na língua

Motas o quanto vos odeio!

Tenho uma relação de amor e ódio por motas. Quer dizer, pensando bem, nunca poderei chamar de amor, mas sim de alguma afinidade. Porquê afinidade? Porque gosto de as ver, gosto de dar um passeio devagarinho e até admito que não me importava de ter uma que não andasse muito, para ir até à praia e dar uns passeios curtos.

Mas depois, entra a parte do ódio. Porque tenho plena noção de que as motas matam. E não me venham cá com coisas que são muito bons a conduzir e que têm todo o cuidado e mais algum, porque todos sabemos que não somos só nós que andamos na estrada, há gente sem respeito pelos outros e por si próprio e que se mete ao volante com álcool, drogas, sono e até cansaço, e todos sabemos também que é o suficiente para provocar um acidente. Pois, e o pior é que nas motas não há cá chapa para almogar nem airbags para abrir, o airbag é mesmo o nosso corpo. E é disso que eu tenho medo.

O meu namorado comprou uma mota à algum tempo. Não imaginam o quanto eu pedi para ele não comprar o raio da mota e os cenários que eu lhe mostrei para o demover, mas não valeu de nada, e portanto aqui ando eu de coração nas mãos cada vez que sei que pega na mota. Há dias em que  eu vou atrás dele de mota. Aí nem se fala, deixo-me ir bem devagar, faço de propósito para os carros me ultrapassaram só para não ir atrás dele com medo que ele me caia à frente, que eu assista e tenha um ataque de pânico. E claro está, já houve pelo menos duas vezes que me vem dizer que caiu.

E ontem foi uma delas. Mas desta vez deixou-me de coração nas mãos ao ligar-me e a pedir para eu o ir ajudar e ir lá ter.

Na verdade, eu não precisava de lá ter ido ter porque até foi perto de casa e ele lá conseguiu ir com a mota engatada até casa e eu atrás dele. E claro que a mota não estava em condições, ainda tive a oportunidade de o ver quase a cair mais uma vez ao chegar perto de casa.

Então não é que um gajo daqueles estava todo coxo, e com o depósito da mota todo amachucado e sei lá  mais o quê partido? Eu nem sei como é que o rapaz estava inteiro, aliás, sei, tinha o casaco com as protecções, porque segundo ele, andou não sei quantos metros às cambalhotas! E claro que a enfermeira de serviço teve de ir tratar de todas as feridas quase com buracos que não eram poucas. E sim, ele hoje mal se mexe.

E depois não quer que eu ande de coração nas mãos, quando de vez em quando recebo telefonemas com uma voz horrível e assustada a pedir ajuda!

Motas, odeio motas.

 

 

Nem nos sonhos...

Esta noite fatei-me de sonhar que andava perdida.

Fiquei intrigada com o sonho e fui à procura do significado do mesmo. E para meu espanto (ou não), parece que sonhar com o facto de andarmos perdidos, tem a ver com a nossa preocupação diária, com a nossa vida, com o nosso rumo e futuro. Olha que novidade. Já me basta estar perdida enquanto estou acordada quanto mais enquanto durmo.

É a vida

E depois também há aquelas em que na universidade eram as piores da turma, em que quase ninguém dava nada por elas, que mal abriam a boca 90% do que diziam era merda. Mas depois vão a entrevistas e não sei como conseguem uma substituição para uma baixa de 5 meses. Não sei como, mas conseguem.

E aqui a ursa continua na mesma.

Filmes que tenho visto #3

Annabelle

Já aqui vos tinha mostrado um apanhado no Brasil com a  boneca do filme de terror Anabelle, e claro que  fiquei curiosa com o raio do filme, mas com falta de coragem para o ver.

Na semana passada fui até ao Colombo e como não íamos ao cinema à tanto tempo andámos por lá a espreitar o que haveria de jeito, e o que estava prestes a começar era a Anabelle, lá fomos nós.

Eu sempre gostei de ver filmes de terror, aliás eu ria a ver filmes de terror, não me metiam medo nenhum, e normalmente quando os outros se assustavam, estava eu a rir. Isto até os começar a ver no cinema, claro está, no cinema não me dá vontade nenhuma de rir, muito pelo contrário, fico toda encolhida na cadeira, a agarrar o braço do namorado e no momento do susto coitado do rapaz começa a levar com beliscões. Isto quando não meto a mão à frente da cara e só vejo metade. Mas pronto, com a Annabelle até foi diferente, consegui rir, gostei dofilme, foi muito giro, mas quando me fui deitar lembrei-me que tinha bonecas daquelas em casa, em tamanho pequeno.

Quem gosta deste tipo de fimes veja. Quem tem bonecas de porcelana em casa, pense duas vezes =P

Fica o trailler.

 

 

Pág. 1/6