Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pimenta na Língua

Tudo sobre alguém que não tem papas na língua

Cowspiracy - documentário

Vi uma publicação do João Manzarra no seu facebook acerca de um documentário sobre a alimentação, a indústria agro-pecuária e o quanto tudo isto afecta negativamente o nosso planeta.

O comentário do apresentador  "Foi há 7 dias que vi o Cowspiracy: The Sustainability Secret, há 7 dias que não como carne. Não peço para fazerem o que eu faço mas para verem o que eu vi" fez com que eu fosse a correr ver o documentário.

Confesso que não tinha noção daquilo que é retratado no documentário. Não fazia ideia da enorme quantidade de comida e água que é necessária por semana para alimentar uma vaca, nem de muitas outras coisas que são apresentadas. Fiquei assustada com os números que são apresentados.

Quem tiver a oportunidade de ver o documentário veja.

Adoro um bom bife, até aqui não dispensava um copo de leite quente ao levantar-me. Mas amanhã de manhã acho que penso duas vezes.

 

Tudo por um Mundo melhor.

 

 

 

Ainda o emprego e as cunhas

E depois há aquelas que por alma do espiríto santo têm acesso a ofertas do centro de emprego sem que os editais tenham saído cá para fora.

- "olha, tenho uma entrevista. Fui lá ao centro de emprego e ele disse-me que estavam a pedir alguém para o sítio x para realizar um estágio profissional".

Fiquei espantada, disse que tinha lá metido umas 4 vezes currículo e nada.

- "ah pois, não sei, aquilo não saiu do centro de emprego, nem chegaram a meter a oferta cá fora,  mandaram-me logo ir no dia a seguir à entrevista e disseram-me na hora que tinha ficado com o lugar."

Comentei que  era um bocado estranho, normalmente fazem mais que uma entrevista e dizem que até ao dia tal comunicam se ficou com o lugar ou não. A maior parte das vezes nem dizem nada.

- "Pois, fui a única que foi à entrevista e disseram-me na hora que o lugar era meu"

Passados uns dias fiquei a saber que conhecia alguém no centro de emprego.

 

Acho que tenho de ir tentar fazer amigos para locais destes.

Ia-me metendo em despesas...

É verdade, ontem tive uma sorte terrível.

O meu cunhado pediu-me para ir buscar a miúda à creche enquanto se despachava. Fui no carro dele porque tinha a cadeirinha. Para que  saibam, o dito cujo tem uma folga de todo o tamanho no travão de mão. E o meu páteo pelos vistos, perto do portão e onde o meu cunhado deixa o carro tem uma inclinação (algo que desconhecia até hoje). Cheguei, estacionei, travei (pensei eu) tirei a miúda e fui toda contente para dentro de casa.

Passados 5 minutos, oiço o meu pai a rir e chamar-me:

"Rita, vem ver onde deixaste o carro".

Lá fui eu toda contente à espreita com a criança ao colo, e o que vejo? O carro, de marcha atrás, a sair do portão muito devagarinho. Já estava mesmo a entrar na estrada. E melhor, foi mesmo habilidoso, passou mesmo a um palminho de distância do  portão! E claro, tive a sorte de o meu pai ver a tempo e antes que lá viesse um  carro.

Conclusão: O cunhado foi logo afinar aquilo

 

Os passatempos!

Se há coisa de que sempre gostei, foi de participar em passatempos, mesmo sem nunca ter ganho nada, porque parece que a sorte nunca quis muito comigo. No entanto, nunca perdi a esperança de algum dia vir a ganhar alguma coisa e tento sempre. Mentira, quando me aparecem passatempos para partilhar no facebook nem tento. Irrita-me profundamente encher a página do facebook com partilhas de passatempos, não fica bonito e ninguém tem nada a ver com aquilo que eu ando a tentar ganhar ou a participar. E além disso, lá tenho eu de meter a partilha pública.

Uma coisa é metermos likes nas páginas,tudo bem, se não vão oferecer alguma coisa, ao menos contribuímos com o like, outra coisaé partlhar aquilo.

Enfim... mas que eu gostava de pelo menos uma vez na vida ganhar alguma coisa num passatempo gostava.

 

Pág. 1/6