Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pimenta na Língua

Tudo sobre alguém que não tem papas na língua

Acho que tenho uma fuga no depósito

Tenho uma sorte descomunal.

Cá em casa, há dois carros: um que é o menino do meu pai e que evito andar com ele, e o outro em que toda a gente pega. Depois há as carrinhas do trabalho.

Ou seja, o carro, em que toda a gente pega, serve para nós cá de casa, mas também é carro de trabalho. O que dá para perceber assim que se entra no carro e se vê o quanto está limpo (não), que passa por obras cheias de pó e também serve de carga a ferramentas e todo o material necessário para trabalhar.

Mas pronto, como não tenho dinheiro para um meu, tenho a sorte de me servir deste, com o gasóleo incluído. E pronto, é aqui que o problema começa.

E qual é o problema?

É que é sempre nas minhas mãos que o carro fica na reserva. E para ajudar ainda mais, parece que tem dia para entrar na reserva, ou há-de ser  à quinta ou à sexta, ali mesmo a bater no fim de semana. Ainda anda a sexta toda, e depois chega à noite, aqui a Rita quer ir para algum lado e aquilo nunca vai muito longe.

Ontem, para variar, fui fazer as minhas horinhas de trabalho e ao vir para casa lá oiço o sinal da reserva pelo caminho. Cheguei a casa, muito séria " oh pai, desculpa, mas muito provavelmente temos o depósito do roto! Há por ali uma fuga qualquer."

Não é uma forma bonita de dizer que o carro está na reserva?

1 comentário

Comentar post