Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pimenta na Língua

Tudo sobre alguém que não tem papas na língua

Que grande aventura

Eu sabia que tinha o carro na reserva, mas também sabia que estava atrasada para um jantar e pensei "ah e tal não vou para longe, meto gasóleo amanhã". Até aqui tudo bem.

Começou a chover. Coisa pouca.

Até que pensámos que seria boa ideia ir até uma festa de marisco bem conhecida e eu lá me lembrei do gasóleo, e o querido namorado disse que dava para ir e metíamos gasóleo lá. Ok, tudo bem, mas eu tenho um medo desgraçado de andar com o carro na reserva lá fui a medo.

Entretanto passadas umas horas começou a chover, e já não era coisa pouca e pensámos vir embora e ainda andámos imenso tempo de baixo de chuva e tivemos a sorte de entrar no carro e só depois começar a chover torrencialmente e a trovejar.

E claro, precisávamos de ir a uma bomba de combustível que por acaso não tinham serviço de multibanco. Até aqui muito bem, não fosse a chuva começar a ficar cada vez pior, não dar para ver a estrada e parecer que estávamos num rio. Até as tampas de esgosto, pareciam não exixtir e saíam coisas de água de baixo da estrada tipo repuxos bem grandes.

Não imaginam o medo que tive. Nunca tive tanto medo a conduzir como ontem. Imaginava chegar a uma qualquer parte da estrada e não conseguir passar de tão alagada que estava, imaginava ficar sem gasóleo no meio daquele rio, o carro derrapar para um lado qualquer, passar por cima daqueles repuxos que saíam do chão e lixar o carro todo, ou tentar dexviar e me espetar contra qualquer coisa, enfim. Só sei que dei por mim e já estava a tremer e teve de passar o rapaz para o volante.

E pronto, lá conseguimos chegar a terra menos chuvosa, parar na bomba de combustível aberta 24 horas e seguir caminho, e claro um caminho muito mais tranquilo e com menos perigos.

Fiquei parva com o estado em que fiquou aquela terra em tão poucas horas. E eu que dizia que gostava de conduzir à chuca, acho que não sabia o que era conduzir com chuva mesmo a sério, e o pergio que isso tudo implica. Parecia uma cena de filme.

Falta de sorte!

Realmente há gente com uma sorte desgraçada, e eu infelizmente parece que não faço parte desse grupo e por este andar não irei fazer parte dele tão cedo.

Então não é que eu vi uma oferta para um estágio profissional na minha área, mas tendo em conta que sou azarada, era demasiado longe. E o que pensei? Ah e tal, como sou uma boa amiga, vou ligar à não sei quantas para lá ir entregar o currículo, tendo em conta que é a dez minutos de casa dela. E claro, que ela lá foi, com um papel a dizer que já podia exercer mas que faltava a tese. E qual foi a resposta? Ai desculpa, deixa o currículo mas sem compromisso porque as entrevistas já foram.

Muito bem. As entrevistas já foram, a moça foi de férias.

Como há pessoas com sorte, e ela é uma delas, estava ela descansada e ligaram-lhe para ir à entrevista. Toca de ir à entrevista, no dia a seguir ligam-lhe a dizer que tinha ficado e começava segunda!

Estou super feliz por ela, acreditem. Mas por outro lado estou pior que estragada, eu que ando nisto à oito meses nada, e depois há a minha nini sortuda que ainda nem  certificado tem, ainda não tinha procurado nada e tem ali um ano garantido!

 

Estou a falhar...

Eu sei que estou a falhar com a minha presença aqui no blog, mas já que eu estava sem fazer nada, surgiu a oportunidade de tomar conta de uns bebés de uns amigos, enquanto não têm entrada na creche e tenho andado ocupada com isso. Sim, eu sei que tenho a noite, mas digamos que também não estou habituada a levantar o rabo da cama propriamente cedo, logo, tenho de ir mais cedo e não tenho tempo para nada. Enfim, não há-de durar muito.

É só mais uma....

Logo lá vou eu mais uma vez a caminho de uma sessão de esclarecimento do centro de emprego.

Se da última vez que fui aquele local me sugeriram (a mim e a mais 4 mil pessoas) fazer uma formação de 3 anos, que tinha como equivalência o 12º ano (tenho mestrado) na área da climatização e refrigeração, desta vez devem-me sugerir algo parecido.

Vamos esperar para ver, mas tenho a impressão que vou para lá simplesmente para gastar um bocadinho de gasóleo e ocupar o tempo, já que tem sido sempre assim.

Acidentes

Pontos na cabeça.

Pontos no braço.

Pontos numa perna.

E outra perna demasiado inchada que parecem duas.

E claro, um carro completamente desfeito onde não se aproveita uma única peça, um poste no chão e dois muros partidos.

Tudo isto por causa do maldito sono e da vontade de chegar a casa para ir dormir. Foi assim que aconteceu esta semana com um colega. E claro, a muitos santos tem ele de rezar e agradecer por não ter ficado pior e não apanhar mais ninguém pela frente.

 

Muito medo tenho eu de andar na estrada, mas não é por mim, é pelos outros.

 

 

setembro

Anda tudo entusiasmado com setembro. Coisas novas que chegam, início de uma nova etapa, tudo com coisas interessantes em mente e combinadas e planeadas e eu nada!

Que interessante.

Pág. 3/3