Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pimenta na Língua

Tudo sobre alguém que não tem papas na língua

Mágoa

Nos últimos meses, só eu sei o quanto me tenho sentido mal por ainda estar a viver nesta casa, a dos meus pais.

Por mais que tente explicar, não consigo transmitir aquilo que é viver aqui, nem a relação com a minha mãe. Ou estamos muito bem, ou estamos muito mal. O problema maior, é que em 7 dias, estamos um ou dois dias bem. Os restantes dias são passados a discutir, a ralhar, com insultos e choro (meu) pelo meio.

A única pessoa que consegue perceber realmente aquilo que eu sinto é a minha irmã. E porquê? Porque já passou pelo mesmo, mas na altura dela (temos 12 anos de diferença) conseguiu arranjar um trabalho e sair de casa, e não precisou de aqui ficar até aos 25 anos, como eu.

Mas no meio disto tudo, até aqui, tenho tido alguma compreensão do meu pai.

É que assim que a mulher (leia-se minha mãe) começa a resmungar comigo, pois o problema sou eu, eu olhava para ele, encolhíamos os ombros e ambos pensávamos que era mais do mesmo e eu aí consigo ficar calada.

Mas quando estou apenas com ela, o caso muda de figura, não consigo calar-me. Eu juro que tento, mas ela sabe como me tirar do sério e ainda faz pior para eu abrir a boca. Se há coisa que me irrita, é que ela me venha com conversas a dizer que esteve a falar de mim (mal, claro) a não sei quem e que essas pessoas dizem que ela deve fazer isto ou aquilo comigo. Como se eu fosse algum bebé ou mesmo ela não tivesse criado outra filha. Mas desde quando é que as pessoas têm de opiniar acerca disso? Claro que tudo o que vem de fora e opina acerca da minha pessoa me faz passar dos carretos e foi isso que aconteceu. Exaltei-me. É claro que isso me cai sempre mal. Isso, e ela perceber que o meu pai se está a aproximar e el começar a resmungar comigo para ele ouvir e ficar a pensar que eu só faço merda.

Mas como é óbvio a paciência começa a esgotar-se e claro que o meu pai já está a ver que este mau ambiente e discussões não vão parar tão depressa e decidiu dar um pouco de razão à minha mãe em plena discussão, apenas para acabar com aquilo e ela ficar feliz. Eu sei que devo ficar calada, eu sei que só faço pior, mas se me calar, ela nunca vai perceber que ela não é a única a não concordar com certas coisas, e que eu não sou a única a fazer merda, e que ela também me passa a vida a magoar.

O pior, é que magoou-me tanto ouvir o meu pai a falar assim, que lhe respondi também e saí dali disparada.

 E claro, conforme fiquei magoada com ele, ele ficou comigo, e não foi pouco.

Com a minha mãe as discussões são o prato do dia, passados 10 minutos ela já não se lembra de nada (o quanto isso me irrita) e ele não. Pode passar o tempo que passar que ele não esquece.

Já foi na segunda, hoje ainda não consigo olhar para os olhos dele. Consigo sentir ao passar por ele o quanto está chateado, magoado e triste comigo. Eu, aquela que ele assim que vai "picar" a minha mãe, por baixo da mesa me dá um toque com o pé para eu estar atenta. Eu, a única que consegue perceber quando ele está a ser irónico para alguém, que fala "sério" com as pessoas e só eu percebo que é gozo. Agora  sento-me ao lado dele na mesa e nem para mim olha...

Acho que só mesmo ele consegue imaginar o que isto me custa, porque acredito que também sente a falta de toda a nossa cumplicidade.

2 comentários

Comentar post