Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pimenta na Língua

Tudo sobre alguém que não tem papas na língua

E os desejos para o ano novo?

E pronto, tanta coisa e tanto tempo a dizer que não gosto do ano novo, que acho uma treta os desejos para o ano novo e dei por mim a conversar com alguém sobre esses mesmos desejos.

Logo à noite vou jantar fora, a minha vontade de ficar em casa continua a ser enorme. Não tivesse eu confirmado a minha presença num jantar de 25€ e ficava sentada com o rabo no sofá ao quentinho e a curar esta maldita constipação.

Mas se foi para fazer uma lista daquilo que queremos para este 2015 aqui fica a lista:

- Um trabalho;

- Saúde;

- Um trabalho;

- Muita amizade e muito amor;

- Um trabalho;

- Conseguir comprar um carro;

- Um trabalho;

- Muita saúde, amor e trabalho para a minha família;

- Um trabalho;

- Conseguir ter a minha própria casa;

- Um trabalho;

- "Casar", sim está entre aspas porque quero mesmo é ir morar com o amor da minha vida;

- Um trabalho;

- Ser feliz.

 

Já referi que quero mesmo mesmo é arranjar um trabalho?

 

 

Festejar para quê?

Já não posso ouvir falar em ano novo e desejos de ano novo.Que 2014 teve de fantástico imensa coisa e que 2015 vai ser melhor que 2014 e bla bla bla.

Mas qual quê? É apenas mais um dia, é um dia como todos os outros em que as pessoas arranjam descupas para fazerem listas daquilo que gostavam de concretizar e na maioria das vezes nunca chegam a concretizar.

Nunca me lembro de ter passado uma noite tão má na minha vida como a última que passei. Deitei-me às 23h e qualquer coisa, deviam ser perto das 4horas quando adormeci. Levei aquelas horas todas a pensar na merda de ano que tive e que motivos é que eu tinha para festejar ou que irei ter para festejar neste novo ano.

Tive um ano inteiro à procura de trabalho, não desvalorizando quem trabalha num supermercado, mas nem num supermercado consegui ficar com o caralho do lugar. Todos os dias levanto o cú da cama sem vontade, sem vontade de vivier. Chego quase sempre por volta das 16horas a desejar que já fossem 23h para me enfiar na cama. E quando me deito, dou por mim a pensar que nem vontade de acordar no dia a seguir tenho. Sim, é verdade. Tenho dias assim e até tenho dias muito piores. Dou por mim a sentir-me a pessoa mais inútil à face da terra. Fiz tantos estágios curriculares e senti-me a pessoa mais feliz do mundo a trabalhar na minha área. Acabo o mestrado com boas notas, e depois chego cá fora e só se fecham portas. Vejo outros a acabarem depois de mim e a conseguir portas abertas, sejam elas abertas através de cunhas ou não. Como é que eu me sinto? Uma merda, uma inútil.

Festejar o novo ano? Para quê?

O natal e a passagem de ano

Sempre gostei da época natalícia, aliás, sempre adorei o Natal. Claro que gosto de presentes, quem não gosta?  Mas o que gosto mesmo  é de ter a minha família à mesa, tempo para brincar com as minhas sobrinhas e não ver ninguém a olhar para o relógio e com pressa.

E quando me perguntam pelas prendas? Opa há tanta coisa gira, tanta coisa que gostava de ter, e que até coloquei aqui pelo blog algumas sugestões, mas prenda prenda só gostava de ter uma, só queria mesmo era trabalhar. Ter a oportunidade de ir a uma entervista e conseguir ficar com o lugar era a melhor prenda que poderia dar a mim mesma.

Mas o a Natal passa e vem a passagem de ano. E o que acho eu da passagem de ano? Ao contrário do Natal odeio a passagem de ano. Comemoro sempre, janto e passo toda a noite com os meus amigos, verdadeiros amigos, mas não passa de mais uma noite boa cheia de amizade e divertimento. 

Este ano, ainda menor é a minha vontade de comemorar.

O que tenho eu para comemorar? Nada. Vou comemorar o quê? Um ano de desemprego? Um ano de angústia e desespero? Um ano de tristeza? Vou comemorar o ano em que me senti mais inútil?