Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pimenta na Língua

Tudo sobre alguém que não tem papas na língua

O amor é fodido...

e eu que o diga porque estou para aqui lavada em lágrimas e com medo de deixar fugir o meu. Com medo de deixar fugir mas é o namorado, porque o amor esse é forte e não vai a lado nenhum, não se vai assim sem mais nem menos.

Acho que me deviam ter dito que esta coisa do amor não era pêra doce. O amor é o melhor do mundo, mas que é fodido é.

Isto de amar, saber amar, perceber a perspectiva do outro, ambas as partes cederem um pouco, compreender 1001 coisas...devia ser tudo mais fácil, ou  deveria ser algo inato, que já viesse interiorizado, ou então deveria existir um manual de instruções ou um guia sobre namoros ou como levar uma relação saudável. Se calhar poupava muitos problemas a muita gente. A mim pelo menos dava-me jeito, já que  estou na fase em que "se calhar é melhor cada um seguir com a sua vida", mas na realidade não é nada disso que queremos, eu não quero, ele não quer, aliás, o que queremos mesmo é seguir com a vida para a frente, mas juntos.

 Às vezes, dou por mim a pensar naquelas pessoas que não sentem necessidade de estar com alguém, de partilhar a vida com alguém. Não encontraram a pessoa certa? Não têm a capacidade de amar como a maior parte das pessoas? Não sei. Só sei que conseguem ser felizes assim. Eu não conseguiria, para isso preciso dele. Mas é mesmo dele, não é de outro qualquer.

Eu amo, entrego-me e espero que de o outro lado aconteça o mesmo, que seja mútuo, que o amor que tenho seja retribuído. Tento fazer tudo para estar o máximo de tempo, para ver sorrir, para se sentir bem. Claro que não sou perfeita, nunca é suficiente e faço sempre alguma coisa menos bem feita. Levo tempo a imaginar como é que será amanhã, no mês seguinte, no ano seguinte. Imagino o trabalho, a casa, os miúdos. E sonho e vou continuando a sonhar. O problema é que a vida não é nenhum sonho, e também dá com cada volta que faz com que o que imaginemos muitas vezes saia tudo trocado.

Neste momento não quero mais nada do que ser feliz, e ser feliz, para mim e neste momento é ter o homem da minha vida ao meu lado. São 7 anos, não é fácil, as maneiras de ser e de pensar não ajudam, as pessoas que se metem pelo caminho também não, o meu feitio é lixado eu sei (sou carneira e basta) mas o teu também não é o melhor.  Temos tudo para ser felizes, só há a porcaria de dois maus feitios que têm de se entender.

Ainda me lembro como tudo começou, as brincadeiras, as mensagens iniciais e o primeiro beijio Esse, que eu queria há tanto tempo e que me roubaste sem eu menos esperar. Esperares por mim todas as manhãs para irmos juntos para a escola, andares a trocar de autocarro só para estar mais 20 minutos comigo, dizeres-me que ias para frança só para veres a minha reação mesmo sabendo que não ias e o meu coração ter parado. Até que chegou o dia, foste e despediste-te com um "até já" mesmo não tendo um bilhete de volta. Só eu sei o que sofri nesses meses. Nunca me vou esquecer do abraço apertado que me deste quando fui ter contigo e da força com que me apertavas a mão no caminho paara casa. Voltaste e devolveste-me o sorriso e a força que tinha perdido durante o tempo que por lá ficaste...Podia ficar aqui quinze dias a descrever momentos, todos eles fizeram com que gostasse ainda mais de ti e que te queira mesmo cimigo. 

Há dias maravilhosos, há dias bons e menos bons, ontem fui um deles. Bora continuar a ser felizes, deixa-me continuar a armezenar momentos fantásticos nesta minha memória.

Ainda ontem me disseste algo como "não quero falar para não te magoar ao dizer coisas sem pensar" isso não é amor?

Estás à espera de que para me ligar e dizer que me queres???

 

Amo-te

 

Será que se pega?

Já nem sei do que conversávamos e ele vira-se e diz qualquer coisa como:

- O Manel acabou com a Maria, já namoravam há uns 10 anos e já anda com outra e tudo. Então, o grupo deles agora é tudo acabar com as namoradas, o Gervásio também namorava com a Joaquina há 8 anos e também acabaram.

- (eu) Olha que estranho, realmente sempre me lembro de os ver juntos, é o que faz ser o primeiro namoro, em vez de terem mais gente, ficam logo com o primeiro que lhes aparece à frente, é um namoro para a vida e depois passados 10 anos é o que dá.

- Até parece que não namoramos também há 7 ou 8 anos e que tiveste montes de namorados antes de mim. 

Claro que lhe respondi logo que antes de mim ele teve umas quantas, mas pronto!.

- Também não percebo porque é o Gervásio e a namorada dele ainda não estão a viver juntos, namoram aos mesmos anos que nós, ele mora com a avó, tem casa, trabalha, tem tudo...

 - (eu) Olha, se eu tivesse a trabalhar também já não estava em casa dos meus pais de certeza.

- Pois! Ah e sabes porque é que o Alberto no outro dia também me fartou de ligar? Coitado, também namorava há 9 ou 10 anos e ela agora de repente acaba com ele.

 

FDX, mas que puta de virose é esta? Se calhar devo começar a ficar preocupada não vá isto contaminar o meu também e ele mete-me a andar a mim que é um instante.

 

 

 

 

Dia do Pai!

Não sou de lhe dizer que o adoro, que o amo, devia, mas nunca me habituei a faze-lo por palavras. Com gestos, com olhares, com carinhos, faço-o todos os dias, e sei que ele não duvida do quanto eu gosto dele e de quanto lhe agradeço por tudo.

Tem os seus defeitos, é a pessoa mais brincalhona e gozona do mundo, mas quando os dias lhe correm menos bem, o melhor é nem falar para ele. Mas ele é assim, e é assim que eu gosto dele!

Feliz Dia Pai, mereces o melhor!

Parabéns Mana!!

Hoje quem está de parabéns é a minha irmã.

Tem 12 anos a mais que eu, saiu de casa demasiado cedo, quase não me lembro dela cá em casa a não ser as habituais birras, guerras e algumas brincadeiras. Lembro-me do quanto eu gostava que fosse ela a ir buscar-me à escola para passar o resto do dia com ela, recordo-me dela a vir-me buscar para ir para a praia para aproveitar o máximo de tempo possível, lembro-me de ela ir querer ter com as amigas e a minha mãe me mandar atrelada a ela, e de ela me obrigar a saltar um muro para ir-mos para uma piscina de alguém que não estava em casa, quando os pais iam sair deitava-me com ela e fatava-se de ralhar comigo porque eu só adormecia com  as pernas dobradas e não parava quieta. Lembro-me de tanta coisa boa, mas também me lembro de levar umas boas palmadas. 

Tenho a melhor irmã do mundo, e sinceramente acho que ela não sabe disso, não me lembro de lhe ter dito. Demonstro-o com vários gestos, de várias formas, mas por palavras não me lembro.Tenta me ligar todas as horas de almoço, falamos de tudo e mais alguma coisa, e se há pessoa que melhor me compreende é ela. Quando lhe ligo e vê que não consigo falar já sabe o que se passa, percebe perfeitamente a relação de amor-odio que tenho com a minha mãe e é a única que sabe aconselhar, que sabe o próximo passo e aquilo que hei-de esperar.

E depois, deu-me o que tenho de melhor do mundo: as minhas sobrinhas, os meus amores.

Obrigada mana, és muito.

Isto sim, é amizade !

Acho que ainda não disse por aqui, mas fiz o meu 10 e 11º numa escola e depois vi que ia chumbar, que não era nada daquilo que eu queria, queria outro rumo para a minha vida e mudei de escola e voltei novamente para o 10º ano. E sim, foi uma das melhores coisas que fiz na vida.

Foi esse meu segundo secundário que me fez conhecer o Homem da minha vida. Mas também foi nesse secundário que eu conheci as três miúdas mais despassaradas e espectaculares que estiveram comigo durante  3 anos e foi com uma delas que embarquei numa viagem até uma cidade nova e a uma vida universitária completamente diferente.

Éramos quatro amigas sempre juntas, nas como é óbvio, identificamo-nos sempre mais com uma, a Filipa era mais nova que eu dois anos, uma resmungona de primeira, mandona, dizia tudo o que pensava, mas era um doce de miúda. Identificava-me com ela porque eu era igual, mas assim que entrava na escola eu tinha a capacidade de me controlar, e a míuda não. Quantas e quantas vezes a mandei calar, lhe abri os olhos para ela se calar e não fazer mais merda. Quantas bebedeiras, quantos cigarros, tanta choradeira por namorados, tanta coisa... 

Entratanto veio a universidade e trocámos, a Filipa foi com a M. para  a mesma universidade e eu fui com a C. para uma cidade mais longe, para a mesma universidade e para a mesma casa. Com a impossibilidade de nos conseguirmos juntar, afastei-me da Filipa e da M. Com toda a vida junta e a vermo-nos a toda a hora e com novas amizades e eu a C. também acabámos por chocar e afastámo-nos.

A C. com tanta vadiagem na universidade perdeu um ano, enquanto eu seguia para o mestrado ela ficava na licenciatura. Não sei se ter tido tempo para pensar, afastarmo-nos, não passarmos 24 horas juntas, fez com que começássemos a falar não como antigamente, mas melhor que nada.

Não me perguntem porque carga de água, mas eu e a Filipa voltámos a trocar mensagens, voltámos a encontrar-nos e a falar como se não tivesse havido anteriormente nenhuma quebra de tempo de 4 anos, como se tivéssemos sido sempre as melhores amigas toda a vida. E isso é maravilhoso.

É tão mas tão ter amigos assim!

Parabéns à sobrinha mais velha e fofinha da minha vida!

Faz hoje 11 anos que fui Tia pela primeira vez. Tinha 14 anos, eu sabia lá o que era ser tia, o que isso ia implicar e o quanto maravilhoso viria a ser. Confesso que tinha ciumes enquanto ela andava pela barriga da mãe nos primeiros meses. Depois lá comecei a perceber que até era engraçado comprar roupinha bonita e ver a barriga da minha irmã a crescer.

Até que ela veio cá para fora. Aí sim, descobri o amor.

Lembro-me da minha irmã pedir para pegar nela e eu ter uma vontade enorme de o fazer mas dizer que não com medo de a magoar de tão pequenina e frágil que era.

Hoje tem 11 anos, está do meu tamanho e não me parece que vá ficar com metro e meio como a mãe e a tia. De meu não tem muito, só o mau feitio, que talvez seja o pior, mas isso ninguém precisa de saber. 

Muitos parabéns princesa. Obrigada por me fazeres tão feliz!

Digam lá se a minha sobrinha não é a melhor!

Já aqui tinha dito que a minha sobrinha mais velha foi para o 5º ano e para uma escola onde eu já andei, aprendi muito, fiz muitos amigos e me diverti imenso. E claro, também onde já comi os melhores croissants com chocolate!

Um dia lá estava ela toda nervosa a perguntar-me coisas sobre a escola e eu lá lhe falei que me sabia muito bem de vez em quando no primeiro intervalo comer uns croissants de chocolate quentinhos e maravilhosos. E claro, para ela um dia experimentar (mas não abusar).

Então não é que a miúda ontem  me apareceu em casa com um para mim? "Olha Tia comi um e trouxe outro para ti para veres se é igual e matares saudades!"

E sim, eram os mesmos croissants, e que saudades daqueles tempos me deram.

 

Tenho ou não tenho razão? Esta miúda não é um amor? Claro que adorei o miminho mas fiquei anda mais feliz com o gesto da minha menina!

Solidão

E ficar em casa o dia todo sozinha a pensar na merda em está a minha vida e ver uma série pelo meio?

Pode parecer loucura, mas era mesmo o que estava a precisar.

Ficar sozinha, chorar, gritar, deitar tudo cá para fora. Chorar e não ter de dar explicações a ninguém. E esperar... esperar que ele me venha bater à porta, nem que seja para dizer que tudo acabou, porque andar assim, cheia de esperança não dá.

Vida de merda.

O amor

Sempre acreditei no amor. E sempre acreditei que enquanto houvesse amor, nada acabaria.

Posso ter a vida toda pela frente, mas amo como nunca amei ninguém. E tenho comigo (ainda) a pessoa com que sempre sonhei e com que me vejo a viver,  e a ter filhos.

Claro que sei que todas as relações passam por fases boas e fases menos boas, mas infelizmente também sei o que se sofre nessas fases menos boas, principalmente quando o que é melhor para a relação é ir um para cada lado durante uns tempos para refrescar ideias e ver se o coração não se aguenta quando estão um sem o outro. Na esperança de que o amor fale mais alto de ambas as partes.

Mas no meio disto tudo o que é o amor? Esse sentimento que tanto nos faz bem como nos mete a chorar baba e ranho. Não é suposto ser assim. Quando se fala em amor, imaginamos coraçõezinhos vermelhos e cor de rosa, florzinhas e pessoas felizes de sorriso no rosto. Nunca se fala na parte dolorosa, no que se sofre quando percebemos que só amor não é suficiente, quando as pessoas começam a mudar e a ter objetivos e gostos diferentes. Nesse caso, se não soubermos lidar com a situação está tudo estragado. E quando não há aquela conversa? Quando as coisas começam a ficar menos bem e se deixa andar? Aí, quando damos por isso começa a ser tarde.

O amor devia ser algo maravilhoso, mas também consegue ser do pior. É graças ao amor que hoje estou assim, sem vontade de sair de casa, de lágrimas nos olhos, sem vontade de falar para ninguém e só sair de casa e ir a correr para os braços dele. Mas não posso, porque o amor é lixado, e não é possível manter uma relação de pé apenas com uma pessoa. Por isso, aqui fico eu, à espera, à espera que ele se dê conta que não vive sem mim,  que eu não estou aqui para sempre, que por mais que esteja aqui a pensar e a chorar por ele, um dia canso-me, secam-me as lágrimas e o coração começa a bater lentamente, e eu começo a levantar-me. 

Mas até lá não desisto, porque sei que ele me ama, mas que todos temos defeitos, e os nossos infelizmente não sou poucos e eu tenho o problema de dizer tudo o que penso, ao contrário dele, o que faz com que choque. Mas sei que se estamos juntos à uns 7 anos, é porque algo muito forte nos une e sabemos disso, logo não se pode desistir assim.

 

Sempre acreditei no amor. Sempre acreditei que o amor vence tudo, não é agora que vou deixar de acreditar no amor, muito menos no nosso.

Amo-te