Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pimenta na Língua

Tudo sobre alguém que não tem papas na língua

Acho que tenho uma fuga no depósito

Tenho uma sorte descomunal.

Cá em casa, há dois carros: um que é o menino do meu pai e que evito andar com ele, e o outro em que toda a gente pega. Depois há as carrinhas do trabalho.

Ou seja, o carro, em que toda a gente pega, serve para nós cá de casa, mas também é carro de trabalho. O que dá para perceber assim que se entra no carro e se vê o quanto está limpo (não), que passa por obras cheias de pó e também serve de carga a ferramentas e todo o material necessário para trabalhar.

Mas pronto, como não tenho dinheiro para um meu, tenho a sorte de me servir deste, com o gasóleo incluído. E pronto, é aqui que o problema começa.

E qual é o problema?

É que é sempre nas minhas mãos que o carro fica na reserva. E para ajudar ainda mais, parece que tem dia para entrar na reserva, ou há-de ser  à quinta ou à sexta, ali mesmo a bater no fim de semana. Ainda anda a sexta toda, e depois chega à noite, aqui a Rita quer ir para algum lado e aquilo nunca vai muito longe.

Ontem, para variar, fui fazer as minhas horinhas de trabalho e ao vir para casa lá oiço o sinal da reserva pelo caminho. Cheguei a casa, muito séria " oh pai, desculpa, mas muito provavelmente temos o depósito do roto! Há por ali uma fuga qualquer."

Não é uma forma bonita de dizer que o carro está na reserva?

Dos exibicionistas!!

Acho que não ria com as desgraças dos outros como ri no domingo passado há imenso tempo!

Em plena A8, com o céu a ameaçar chover e bem,  passa um desgraçado a armar-se em bom num descapotável. O carrito não valia nada, mas era motivo de orgulho do dono que lá ia sentado de cabelos ao vento. Começou a chuviscar, mas como o moço no seu descapotável não devia conseguir ver o céu, não percebeu que a chuva ia cair forte e feio, e lá continuou com a sua vaidade. O senhor meu pai, gozão como é, não evitou comentar algo como "devia forrar-se a chover antes de ele fechar a capota". Pois que foi ele a acabar de falar e começa a cair uma chuva tão forte, que nós, de limpa vidros no máximo, estávamos a ver com dificuldade. Claro que apesar de toda a dificuldade em ver, andei a fazer malabarismo para observar o gajo a conduzir completamente encharcado e a parar na berma para fechar a merda da capota que só fechava com o carro parado.

Foi a comédia em plena autoestrada, parece uma anedota, mas é real.

De uma gripe valente o homem não se deve ter livrado e o interior daquele carro também deve demorar uns dias a secar!

O Natal está aí à porta #1

E eu era a pessoa mais feliz do mundo se chegasse à garagem e tivesse este menino com um laço gigante à minha espera!

Pensava que o meu amor por minis já não podia crescer muito mais, até meter os olhos em cima do novo mini de 5 portas, que é lindo de morrer.

Ja andei pelo site uma data de vezes a criar um que me preencha, e aqui está ele. 

Pode sair um igual ou parecido a este cá para casa se faz favor!

 

 

A estrada

Eu acho que não fiz mal nenhum a alguém, mas parece que quando ando a conduzir toda a gente me quer matar.

Hoje de manhã perdi a conta à quantidade de carros que se atravessaram à minha frente na estrada, ontem perdi a conta à quantidade de carros que se atravessaram à minha frente, e calculo que amanhã a história seja a mesma.

Não vou propriamente devagar, mas também não vou a abrir, o que faz com que qualquer dia eu não tenha tempo de travar a tempo sem bater no paspalho que se tenta meter à minha frente.

Enfim, depois dizem que há acidentes, claro que há, as pessoas não têm calma, logo não os previne!

 

Acidentes

Pontos na cabeça.

Pontos no braço.

Pontos numa perna.

E outra perna demasiado inchada que parecem duas.

E claro, um carro completamente desfeito onde não se aproveita uma única peça, um poste no chão e dois muros partidos.

Tudo isto por causa do maldito sono e da vontade de chegar a casa para ir dormir. Foi assim que aconteceu esta semana com um colega. E claro, a muitos santos tem ele de rezar e agradecer por não ter ficado pior e não apanhar mais ninguém pela frente.

 

Muito medo tenho eu de andar na estrada, mas não é por mim, é pelos outros.

 

 

O perigo da estrada

Eu não ando proprimante devagar na estrada, mas também não abuso assim tanto na velociade. E se há coisa que me irrita profundamente é ir com alguém no carro, e esse alguém se mete a brincar demasiado com a velocidade ou com a estrada.

Tenho respeito. Tenho imenso medo. Nunca pensei seriamente nesse tipo de medo até à seis anos atrás quando o meu pai me vem bater à janela e me diz que acaba de ouvir na rádio falar sobre um aparatoso acidente. Eu sabia quem ia naquela carrinha. Conhecia-os a quase todos. Ela era amiga de família, passei grande parte da minha infância com ela. Sempre nos demos bem e sempre nos demos mal. Sempre tivemos as nossas guerras, mas passamos muitos dias da juntas. Apesar de nos últimos anos não nos vermos tanto, nem os nossos pais.

Nunca tinha tido uma sensação daquelas, espero nunca mais voltar a ter, mas foi horrorosa. Saberes pela rádio de um acidente, onde tens a certeza de quem lá vai dentro, agarras no telemóvel e não te atendem. E quando te atendem, não conheces quem está do outro lado e apenas te dizem que não podem fazer nada que estão a fazer exames. Não tive naquele momento noção da gravidade da situação. Falei uma vez com a família, era impossível darem-nos informação. Na televisão só se ouvia notícias de um acidente aparatoso e de uma vítima em estado muito grave que teve de ser transportada pelos meios áreos. Pelo caminho algumas paragens cardíacas. 

Lembro-me como se fosse hoje, todos os dias em que a visitei no hospital. Da primeira visita, em que ela estava em coma induzido e eu sem coragem para entrar. Fiquei para o fim. Só eu sei o quanto me custou falar para ela e perceber que não ia obter resposta. Mas só eu sei a alegria que senti quando lhe acaricei a cara e lhe perguntei se sabia quem eu era e lhe disse o meu nome. Eu vi os olhos dela a fazerem um esforço enorme para abrir. Eu vi que aquela miúda estava a lutar para sair dali. E saiu. Passado muito tempo mas saiu. Passado este tempo todpo, está uma mulher, na sua cadeira de rodas, mas para os médicos que não davam nada por ela, ela mostrou-se uma guerreira e hoje está a trabalhar, e consegue ser feliz. À mãe e à irmã ela agradece a luta que tiveram, a coragem de leão para lutarem por ela e acima de tudo por nunca baixarem os braços. Nunca conheci ninguém com tanta coragem e com tanta esperança como a mãe dela, e tenho a certeza  que foi ela que fez com que ninguém fosse abaixo. Graças a ela, tem ali uma miúda, que já é uma mulher feliz, que não mete as culpas em cima de ningúem, que não se arrepende de ter ido naquele carro, e que acima de tudo quer andar com a vida para a frente.

 

Hoje deparei-me com este vídeo, e lembrei-me deste acontecimento. Da quantidade de vezes qeu fui ao hospital visitá-la, das pessoas que vi no centro de alcoitão vítimas de acidentes na estrada, de histórias incríveis. Só eu sei o quanto me custava lá entrar. E

Isto tudo para dizer que não vale a pena. Mais vale chegar 5 minutos, 10 minutos atrasado ao local, do que arriscar não chegar lá.

 

 

Filmes que tenho visto #2

Andava à imenso para ir ao cinema, mas também andava a adiar a ida ao cinema à imenso tempo, e ontem foi o dia escolhido para isso mesmo. E como a ideia partiu do namorado, o namorado escolheu o filme. E o que fomos ver? O Need For Speed. Sim, é o filme do jogo de vídeo Need For Speed. Confesso que a primeira vez que ele me falou que o queria ir ver ainda fiquei de pé atrás, mas depois de ver o trailler, lá fui eu toda contente. E o que achei? Adorei. Claro que um grande herói das corridas tem de ter sempre ao seu lado uma mulher e que acaba sempre apaixonado por ela e assim foi. E eu adorei, claro.

 

O Filme é realizado por Scott Waugh e tem como atores principais Aaron Paul, Dakota Johnson, Dominic Cooper, Imogen Poots e Michael Keaton e podem ver o Trailer em baixo.