Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pimenta na Língua

Tudo sobre alguém que não tem papas na língua

Não sei se ria ou se chore

Mas quem é a pessoa que no seu perfeito juízo, vai ao jardim, arranca 5 ou 6 rosas super abertas e cheias de espinhos, coloca um bocado de papel de alumínio à volta, mete-as dentro de um copo de água e vai com o ramo na mão e oferece à formadora?

Querem continuar a rir?

Quem é que em plena formação se levanta e diz "eu venho já, está bem? Tenho de ir a um sítio" e passado uns tempos aparece de cabelo cortado e todo penteadinho??

 

Percebem agora em como  tinha gente demente na formação?

Das pessoas sem educação e sem higiene...

Finalmente chegou ao fim a formação do centro de emprego que andava a fazer. Já não suportava estar quase 5 horas fechada numa sala, com pessoas que não interessam a ninguém. Aproveitava-se a formadora, eu (convencida) e mais duas colegas. Os restantes, metiam medo ao susto por todas as questões e mais alguma. Os homens, porque tinham tanta vontade de lá estar como de comer merda às colheres, e as outras mulheres, porque em vez de se comportarem como se deveriam comportar numa formação, achavam que estavam na praça ou num salão de cabeleireiros do mais reles que poderá haver. Posso deixar-vos com um ou dois exemplos: Há quem leve o jornal da região e há quem o peça emprestado em alto e bom som alegando que quer ver os mortos. Há quem leve folhetos de hipermercados e comece a fazer a lista das compras e a colega da frente pergunta se há peixe e carne boa em promoção.

E é isto que a formadora e 3 pessoas que estão interessadas têm de aturar. É triste, todos nós sabemos que estão ali obrigados, mas porra, ao menos tirem partido e aprendam alguma coisa, ou deixem os outros aprender. No final, ainda se queixam que a formadora é assim e assado. Pergunto-me qual será a vontade da formadora de ali estar, sabendo que tem a turma que tem?

Depois, ainda há a parte do trabalho de grupo ou a pares, que é impossível de realizar quando a pessoa com que nós ficamos, assim que abre a boca quase que desmaiamos com o cheiro que de lá vem. Juro que fiquei com quatro pessoas assim, quatro, senhores. Claro que não foram os quatro de uma vez porque se assim fosse não sairía de lá viva.

Terrível, foi terrível a formação!

 

Qualquer dia dou-me mal!

Há uma senhora pequenina, com uns 50 anos na minha formação. E eu só percebi que a senhora era uma senhora e não um senhor no final da primeira aula. Não tenho nada contra senhoras que se vestem à senhor, têm cabelo à senhor e a cara também lá anda perto. O pior, é que ao falar com a formadora a dizer que me encontrava na mesma situação que ela aos transportes, disse que me encontrava na mesma situação que o senhor. Dei-me bem porque não ouviu, mas se ouvisse, provavelmente fazia questão de me dizer que era uma mulher!!!

Hoje, estávamos numa mesa em forma de "U" e a minha colega comenta "Olha que engraçado, hoje ficaram as mulheres daqui e os homens dali". Quando olho para verfiicar tal coisa, reparo que não era bem assim, claro.

Acreditem, feminino, só mesmo o nome!

 

Mais uma formação!

Livrei-me da formação de Espanhol, e que por acaso até gostei muito e ontem dei início a outra formação transversal sobre técnicas de procura de emprego, empreendorismo e coisas parecidas. São apenas 5 dias, mas estamos dentro de uma sala das 9 da manhã às 14 da tarde. Claro que fazemos ali dois intervalos pelo meio, mas a coisa cansa. E cansa muito. E depois, tive o azar de calhar com um grupo que não me parece ser o melhor. Somos 3 da formação de espanhol infiltrados nuns tantos de uma outra formação que já acabou, em que metade não tem vontade nenhuma de lá estar e não faz aquilo que lhe é pedido por não estarem ali de livre vontade, ou porque estão à espera da reforma, ou porque queriam estar em casa ou simplesmente porque são mal educados e do contra. E outra metade de gente fala barato!

E é assim a minha vida!!

Há gente muito esperta

Há um senhor que caminha para a idade da reforma, o que quer dizer que tem idade para ter juízo, que me irrita profundamente nas aulas de espanhol. O raio do homem, meteu na cabeça que eu me dou ao trabalho de ir trocar a cadeira dele por uma que baixa sozinha quando vamos para o intervalo. Eu que não tenho com que me chatear e até tenho a chave da sala para lá ir no intervalo. Enfim...

Ontem tivemos teste, e o professor tinha dito que num exercício iria colocar parte da letra de uma música de Pablo Alborán para que ouvíssemos, e posteriormente completássemos sem erros. E deu a dica de três músicas que poderiam sair. O senhor virou-se para mim e no gozo diz "ah e tal a colega agora vai a correr para casa decorar as letras". Fingi que não ouvi.

Hoje foi dia de teste. Ele estava a arrumar a papelada dele e eu vejo 3 folhas impressas, em cada uma a letra das músicas que poderiam sair (depois era eu que ia estudar a letra). Tive mesmo, mesmo para mandar uma boquinha, mas calei-me. O professor comela a meter a música mesmo antes de dar o teste para ver se o som do pc estava bom, e o homem teve a lata de se virar para mim e perguntar qual era aquela música. Esperto. Respondi-lhe que não sabia e ainda lhe disse "tem aí a letra não é?". E acreditam que o parvo disse que não? Mas claro que esta gente tem toda sorte e alguém disse em voz alta qual era a música e lá foi ela à pressa meter a folha dentro do caderno para a vir a espreitar mais tarde. 

E depois são os novos que copiam, fazem batota, faltam ao respeito e mais não sei o quê.

Ainda lhe fiquei com mais azia.

Aluna exemplar

Tinha tantas saudades de fazer um teste que consegui tirar um 17 a Espanhol!

Parece que a coisa até está a correr bem. Só é pena haver para lá uns problemas demasiado graves com o grupo e que eu até tenho medo de partilhar. A coisa é demasiado grave, portanto nem sei quando é que posso partilhar.

 

O velho do espanhol

Há um homem na minha turma de Espanhol do iefp que me tira completamente do sério!

Ele tem a mania que sabe tudo, ele tem a mania de apontar erros ao professor onde não há, ele tem a mania de inventar problemas onde não existem, ele tem a mania de impor as suas ideias no grupo com que faz trabalhos (o meu). Ele tem a mania!

E eu cada vez mais não posso olhar para ele!

 

Já disse que não o posso ver nem pintado?

Ainda a reunião da formação do iefp

Foi uma anedota. Uma autêntica anedota. Com pessoas revoltadas e a senhora do iefp com vontade de sair da sala e mandar toda a gente para um certo sítio.

Primeiro que tudo, o objetivo da sessão era obrigar as pessoas a increverem-se numa de três ações de formação:

- Organização de eventos;

- Recursos Humanos;

- Espanhol;

Claro que tendo pessoas com 12º ano, licenciaturas e mestrados, era óbvio que havia para lá gente de todas as áreas e mais algumas e às quais estas ações de formação não interessavam para nada.  E começaram simpaticamente a questionar a senhora se não haveria outras formações mais direccionadas para a área delas. A senhora responde sempre que não. Outros irão fazer formações por fora na área deles e não querem esta, são obrigados. Quem não quer perder o subsídio, quem não quer ficar 90 dias sem conseguir inscrever novamente no centro de emprego tem de ir recambiado para a formação. Agora quem parecia que também lá estava mesmo por obrigação era a senhora que respondia mal a toda a gente, não tirava dúvidas e apelava ao bom senso quando a própria é que não o tinha e nem sequer estava a fazer o seu trabalho correctamente, tendo em  conta que não sabia responder à maior parte das dúvidas de toda aquela gente.

No meio de toda a confusão, e tendo em conta que tínhamos de escolher uma formação, houve quem perguntasse pelo plano de estudos para conseguir decidir. E onde é que ele estava? Não estava. A senhora tão competente que é, e a pensar que todos nós seríamos desinteressados, não o trouxe. E depois vem a história do Espanhol. Ah e tal para vocês que são licenciados e mestres o Espanhol é um Espanhol técnico. E surgem novamente as dúvidas. Ah e tal sou mestre mas nunca tive espanhol na vida. A senhora lá se baralhou toda e disse que não havia problema que o senhor começava do zero, apesar de existir gente que poderá falar um bocadito.

Só sei que a reunião demorou duas horas e meia, estava a ver que havia porrada para lá e que tínhamos de chamar outra pessoa do centro de emprego mais competente do que a que lá estava que se recusava a tirar dúvidas. Mas não foi necessário. Apareceu mesmo um colega da senhora, que com toda uma calma decidiu tirar dúvidas e concordar com tudo.

E pronto, sendo assim, daqui para a frente aprendo a hablar espanol.